Portuguese CP, Speech by Jerónimo de Sousa, General Secretary, Rally of the «Avante!» Festival 2019

9/16/19 2:29 PM
  • Portugal, Portuguese Communist Party En Pt Europe Communist and workers' parties

8 September 2019, Atalaia, Amora, Seixal

«A vote for CDU counts towards the PS not having free reign to practice old policies»

It is with immense joy that we salute all the constructors of the «Avante!» Festival, the participants and guests, our friends from the Ecologist Party «The Greens» and the Democratic Intervention, and all the independents that, with us, integrate CDU.

A special salute to the youth and JCP who, both constructing and participating, are proof of the Festival’s future. A Festival that encapsulates the dream we pursue: the project for Portugal for which we fight will, one day, have the beauty of our «Avante!» Festival.

We have stated, and those who participate in our Festival see it, that this is the greatest political and cultural event in our Country.

A Festival created with work and art, the two building blocks of humanity that are closely tied with the identity of our «Avante!» Festival.

A Festival built with the militant effort of a great collective who — while building this singular political and cultural initiative, this space of affirmation of the values of fraternity, peace, friendship, internationalist solidarity, democracy and socialism — is fighting and answering the most demanding tasks, in diverse fronts, fulfilling its role in defence of the workers, people and Country. And is ready to confidently fight in the electoral battle in less than a month!

Allow me to salute in particular the dozens of foreign delegations who, through their important participation, provided living content to the internationalist dimension of the «Avante!» Festival, mutual solidarity, solidarity with struggles throughout the world where peoples fight for their legitimate rights and aspirations.

Solidarity that is increasingly necessary in an international situation marked by dangerous and multifaceted imperialist aggression directed against all countries and peoples who don’t submit to its dictates and interests and who sovereignly take their destinies into their own hands.

War, coercion and military siege, economic and diplomatic sanctions and blockades, arms race and nuclear threat, disrespect of treaties and agreements, confronting international law to impose its global hegemony, the United States of America, with the complicity of its allies, namely NATO, engage in their unrestrained strategy of blackmail, destabilization and aggression.

Confronted with the deepening of its structural crisis and intensification of its contradictions, responsible for the brutal intensification of labour exploitation, for the evermore reactionary, authoritarian and fascistic shift, for the insatiable appropriation of nature’s resources and the degradation of the environment — capitalism, and its exploitative, oppressive, aggressive and predatory nature, is at the root of the problems, crises, conflicts, wars, and immense scourges afflicting the peoples of the world.

Eighty years after the beginning of World War Two — which caused over 50 million deaths and an immense legacy of suffering and destruction —, the convergence and unity in action of the forces of peace and social progress is more imperative than ever to stop the disaster towards which imperialism is dragging Humanity.

Convergence and unity in action among communists and between these and other progressive forces who have one of their most important and consequential expressions in the firm and active solidarity with the peoples and forces on the front line of imperialist aggression.

Solidarity with the peoples of the Middle East, who face occupation, war and encroachment — as in Iraq, Syria, Yemen or martyred Palestine.

Solidarity with the peoples of Latin America and the Caribbean who face attempts of isolation and blockade, of destabilization and coups, blackmail and threats of military intervention — as in Cuba and Venezuela.

Solidarity with the peoples of Africa who face interventionism, the pillage of resources, neo-colonialism.

Solidarity between the forces who face an increasingly neoliberal, militaristic and federalist European Union, and who fight for a Europe of cooperation, social progress and peace, for a Europe of workers and peoples.

Solidarity that also demands the development of struggle in each country in defence of the rights and interests of workers and peoples, against exploitation and oppression, for sovereignty and development, for peace, for democracy and socialism.

In Portugal, we are close to a very important electoral battle. A decisive battle that will determine the immediate and future evolution of the Country and the lives of the Portuguese. Four years ago, in 2015, we fought and won, with the struggle of workers and people and the decisive contribution of PCP, a hard and prolonged battle to interrupt a violent and retrograde offensive, with brutal conditions for the living conditions of the Portuguese.

We defeated a government who, with implacable severity, executed and deepened a brutal program of aggression, exploitation and national impoverishment that PS, PSD and CDS accepted and coordinated with the IMF, European Union and ECB.

In a Parliament with a new composition and in a framework where none of the parties responsible for more than four decades of right-wing policy in Portugal had conditions to impose its policies fully, it was possible to begin, with the decisive contribution of PCP and PEV, a process of restitution of rights and incomes and advance with new conquests, which translated into an improvement of the living conditions of the Portuguese.

For four years, we fought internal resistance and threats and external pressures from big capital and the political forces in its service, where each advance called upon the struggle of workers and people, and always with the firm action, initiative and proposal of PCP and the forces of CDU.

Today, we need to wage and win a new battle — create conditions to continue to advance and avoid going backwards.

Advance decidedly towards the solution of the Country’s main problems, which remain postponed. Advance in deepening the rights and living conditions of workers and people, fend off the dangers of any return to policies of impoverishment and increased exploitation.

This is what is at stake in this important and decisive electoral battle on October 6th for parliament: advance in what is necessary for the development of the Country and the rights of workers and people, giving more strength to CDU, or go backwards.

Let there be no illusions, what was advanced is not guaranteed and recent times demonstrate the balance is tilting towards the side contrary to the defence of popular interests, particularly against workers.

PCP will wage this important and decisive battle, in the framework of CDU, in all electoral circles.

In this new fight, we are determined to confirm and widen our influence in the circles where we elected and have MPs, and will wage with determination the battle to elect CDU MPs where we have none!

We aim to grow in votes and MPs, confident in our work, in the unquestionable role of PCP and CDU in taking the Country forward and defending the interests of workers and people, with the project for an alternative future that we embody.

The people will decide. There are no forgone winners, nor a priori elected MPs. All the paths towards a reinforcement of CDU are open and we will face the voters, telling them they will not find a political force other than CDU that can give greater guarantees they will defend what was achieved and advance further.

A force that always presents solutions to serve the workers and people. The only force that next October, as 4 years ago, guarantees the interests of workers and people will not fall prey to the crises that capital creates, nor be subjected to the dogma of the deficit. A stronger CDU, means a more certain and secure path forward.

Yes, a vote in CDU is the only vote that can guarantee this!

The sure and secure vote to insure a most just distribution of wealth and that won’t resign before injustice and inequality.

A sure vote to guarantee a developed Portugal, of solidarity, justice and progress!

A secure vote to achieve a left-wing policy and ensure dignified wages and pensions, effective social rights, better working and living conditions for all.

A vote that truly matters to strengthen a patriotic policy and guarantee the Country advances in the fight against its weaknesses and dependencies!

A vote to combat the causes of our backwardness and affirm a sovereign development.

A vote investing in our national potential and wealth, defending them to guarantee the development, progress and improvement of out people’s living conditions.

There is not much time until the elections and plenty of work to do. We need each and everyone’s availability and ability to wage this important fight. Now is the time to advance with our active presence, with our word in the workplace, in each company, each place, each city or electoral circle, embodying a campaign able to insure the success of CDU in this new battle!

We will address all those who have ever voted CDU, reminding them their vote in CDU was never betrayed but always honoured. We’ll meet with who never voted CDU to underline that, in CDU, PCP-PEV, they can find a broad space of convergence of democrats and patriots, of all those who want the Country to advance in wages and pensions, in public services and the State’s social functions, in public investment and economic promotion, in national production and work with rights.

It is up to us, our collective and individual action, to build a strong current of mobilization to vote in CDU and demonstrate the Portuguese workers and people have the possibility of achieving the Portugal we have a right to, giving more strength to CDU, with more votes and MPs, so the Country will truly advance!

These four years of the new stage of national life have demonstrated it was and is worth fighting to open the way to a solution to the people and Country’s problems.

We’ve demonstrated, from the first hour, the falsity of the recurrent campaigns trying to make us believe the legislative elections are to elect prime-ministers or that what is decisive to govern is which party gets most votes. Campaigns to perpetuate the vicious circle of alternation without alternative that for years drove the right-wing policies.

No! They are not for electing prime-ministers! They are for electing MPs. The recent national political life has dispelled that mistake, with the decisive contribution of PCP!

Contribution from this Party that did not stand waiting and conformed, as others, with the electoral results, but sought solutions and paths that immediately served the struggle of our people for better living conditions, but also the Country, confronted with continuous decline.

We were not hampered by circumstance and fought on!

We don’t run away from a fight, we engage it!

Because we are a Party that won’t leave the people and Country in a dead end, that knows the ground it treads on and always presents solutions to problems!

A Party with confidence and in whom one can trust! That does what it says and always fulfils its commitments!

These four years have proven this. Given the change in Parliament’s composition and the persevering initiative of PCP and PEV, in a framework where PS and its government, but also PSD and CDS, had no conditions to impose, by themselves, the fullness of their eternal policies, important advances in the lives of the Portuguese were possible.

Many of the measures the workers and the majority of Portuguese recognise as positive are marked by proposals from PCP and PEV.

Look at the most diverse sectors of our collective life and you will certainly find a measure to resolve a pressing problem, express a sign, a will to try answers to old problems, but also pave the way to novel solutions.

Yes, we gave priority in our proposals and action to the recovery of rights and incomes, the restitution and valuing of wages, holidays and Christmas bonus, a tax decrease for lower and intermediate incomes, to social benefits in unemployment, sickness, for people with disability, family benefits, valuing long contributory careers, fighting precariousness, but we look at the Country as a whole, to solve problems and signal a solution to show there is different way than impoverishing workers and people.

Looking at the Country as a whole, not subjecting everything and everyone to the myopic policy of the deficit by containing and postponing the Country’s problems, instead of a productive and more fecund solution invested in reinforcing investment, economic growth and more robust jobs, and valuing living conditions as an important motor of the economy.

With eyes upon the most diverse sectors, we advanced. Advanced with a proposal to increase pensions for three consecutive years. We advanced with a reduction in health bills and medication costs. Advanced with that important measure of free schoolbooks. We advanced with the Intermodal Transit Pass and lower transportation prices.

With eyes on the Country to support small and medium executives, we eliminated the Special Payment on Account and reduced fuel costs for farmers and anglers.

Advances achieved with hard work. Much of what was achieved wasn’t in the PS program, nor in the Government’s Program. Many and strong resistances had to be overcome in order to advance.

Have no doubt! When PCP and CDU gain strength, the solution to the people and Country’s problems gains strength.

Today, they’re waving the scarecrow of false excesses and announcing new crises to postpone the answer to problems and deny justice to the people and Country!

We know what this means and what they want. Maintain the commitments assumed with Brussels, giving priority to the deficit and accelerated rhythms of debt payment, even if that means rolling back investment, worker’s rights, the defence of public services and the State social functions, sacrificing the National Health Service, not investing in rolling stock to ensure population mobility, or going backwards on school books under the pretext of reusing, handing written and erased books.

Yes, we know what it means and what they want with the discourse of the crisis and excesses. It would mean, if they could, a stall on pensions without ensuring the increases we propose to guarantee their real valuing. It would mean stalling wage increases, so necessary and possible.

Let there be no illusions! PS hasn’t changed its nature, nor abandoned its fundamental options, as written into the Stability and Growth Pact (SGP) of ill memory. Nor have PSD and CDS given up on their policy of disaster, extortion and setbacks that characterized their governing.

Look at their programs and their profession of faith and devotion to the rules and impositions of the European Union and Euro.

Look at their proposals to review the Constitution, but also to review the electoral laws, whose objectives are to ensure governing majorities with a minority of votes — the grand electoral subversion to perpetuate right-wing policies and their mandate.

In this electoral battle, where we’re deciding between advancing or retreating, we’ve understood big capital’s wager: favour PS and create the conditions to freely and fully resume the policy that guarantees its interests and, simultaneously, limit the growth of the force it most fears — CDU!

In other words, the big economic interests want two things: an absolute majority for PS and less strength for CDU — the true obstacle to its project of exploitation and setbacks.

Those they can’t reach to attain these objectives, they send a message. They invent artificial scenarios, false decisive disputes that are anything but decisive and, in particular, since the old bipolarization between PS and PSD won’t stick in present circumstances, they try out new artificial bipolarizations, using the most ridiculous and false reasoning to hide what is evident: a vote in CDU counts, and counts well, to stop a PS absolute majority.

Yes, a vote in CDU counts to stop PS from having its hands free to practice old policies, with or without PSD and CDS, a secure and coherent vote that decides another policy.

Yes, a vote in CDU is the necessary choice for workers and people in the October 6th election!

In this fight we are waging in order to advance, the struggle of workers and popular masses is essential. Struggle that developed intensely, in the most diverse sectors and companies and in the convergent actions promoted by CGTP-IN. A struggle that was the basis for the defence, restitution and conquest of rights, that faced the employers and allowed advances in living conditions of workers and their families. Struggle of populations that allowed the defence of rights, public services and quality of life.

An organized struggle that marked social and political reality, despite occultation, silencing, manipulation and provocation.

Struggle for a generalized increase in wages, against precariousness, against work schedule deregulation, for better living conditions, to repeal serious labour legislation norms.

Regarding labour legislation, the repeal of norms attacking worker’s rights was and is necessary, but instead the PS government, with its class option at capital’s beck and call, established an agreement with employer confederations and UGT, approved a law in convergence with PSD and CDS, which the President enacted, and which not only maintained the existing grave norms but added others, namely extending the experimental period to 180 days, opening a new door towards generalizing precariousness. Faced with a law with elements against the Constitution, PCP took the initiative to have the Constitutional Court appreciate the law.

And the struggle continues and will continue in the work places, companies and streets. We salute workers, their unity, organization and struggle, and salute CGTP-IN, the great trade-union confederation of Portuguese workers, we affirm PCP’s solidarity and support.

We are far from resolving the problems that years and years of right-wing policies created and which the present governing policy is incapable of resolving.

Portugal needs solutions to answer accumulated setbacks. The structural deficits in production, demography, science and technology, which hinder development and the insufficient economic growth. The chronic social problems, the worsened working conditions, the profound social and regional inequalities, the decay in public services.

The Country needs a true change. Portugal needs a new path with another policy, a rupture with right-wing policies, because there is no exit with that policy, be it by the hands of PSD and CDS, or the hand of PS.

The Country is not condemned to be a colony of economic groups and big multinationals, nor can it be shackled to constraints it must, sooner or later, necessarily break.

We assume the need to value work and workers as a decisive issue for the Country. A general increase in wages, including the National Minimum Wage to 850 euros. A national emergency for a more just distribution of wealth, to promote the national economy, to retain and foster thousands of workers trained in our Country, who continue to leave at the rate of 80 thousand a year, to answer the demographic deficit, to strengthen Social Security and ensure better pensions for the future.

We need to value who works and who worked. We need to fight precariousness, work schedule deregulation and ensure a decrease to a 35 hour work week, protection for shift work, guarantee the defence of union rights, including the right to strike, and repeal the grave labour legislation norms.

We need to increase the real value of pensions, as well as the right to a full pension without penalizations for workers with 40 years of contributions, and to return the retirement age to 65 years.

We want to advance. We want a Country that respects the rights of parents, grandparents, but also children. Consolidating advances like school books, but also giving a new and decisive step guaranteeing free day-care to all children untill the age of three.

Advance in broadening social protection, by reinforcing the Public Social Security System, capable of ensuring universal and higher family subsidies and reinforcing social benefits, giving the necessary answer to situations of unemployment and disease. We want the diversification of sources of financing, fighting the different attempts to privatize the system.

We want to advance in valuing and empowering public services, which need more means and to contract thousands of professionals. The National Health Service needs to be defended and valued, and the Portuguese people have the right to a family doctor and nurse, cheaper medication, proximity services and being treated with dignity and without charge during all life stages. Schools, hospitals, health centres, courts, libraries, theatres, research centres, public transportation, roads and railroads, ports and airports need means and a policy that makes investment a priority. A policy that promotes the maintenance, requalification and construction of infra-structures, as well as better working conditions. This demands public investment never below 5% of GDP.

The advances following the reduction of transport prices had an enormous social and environmental effect. But to avoid rollbacks, we must advance in improving the capacity and quality, and replace individual with collective transportation, we need a National Investment Plan in public transportation.

Part of the resources the Country needs to answer the aspirations of workers and people also requires a just fiscal policy, based on the effective taxation of big capital and the reduction of taxes for workers and lower incomes; reducing indirect taxes relative to direct taxes. We want to advance with a reduction in VAT for energy to 6%.

We want the Country to produce. Produce and produce more, in particular want we need to import. Industry, agriculture and fisheries are not, not for PCP or CDU, an issue for the market or what is possible under European Union rules. We need food, we need medication, we need boats and trains to improve the life of populations. Our path is producing here what they want us to buy abroad. A Country capable of taking advantage of new technologies and the digital revolution, placing them at the service of who produces and the national interest.

We want the Country to advance, where the right to housing and mobility aren’t crushed by the logic of speculation. There is a public response that has to be given, promoting the construction of housing by the State and urban rehabilitation. We need to promote the repeal of the “eviction counter” and ensure the right to renting for a minimum period of 10 years.

We want the Country to advance. We want to recover incomes, but also instruments that today are in foreign hands. We want to recover for the Country what belongs to the Country. In banking and insurance, in energy and telecommunications, in airports and highways. Portugal has to guarantee its own development strategy. The Country can not wipe out the losses of failed banks and then privatize them again, as occurred with BES; or accept the destruction of CTT and the postal service.

We want to advance in building a cohesive and balanced Country, that ensures the defence of the interior and rural world, with regionalization, territorial planning and fighting desertification and depopulation.

We want a Portugal with a future and need a patriotic and left-wing policy, and a government to achieve it. An alternative policy that won’t submit, not to the European Union, not the Euro. That assumes the sovereign right of the Country to define its economic, budgetary and monetary policy.

A policy that wants to renegotiate the debt and free resources for the Country’s development.

A policy that won’t leave any of the many problems behind.

A policy that wants to value cultural production and enjoyment assuming the important objective of achieving 1% of the State Budget for culture. Where young people can reach the highest levels of learning, investing in public schools, reinforcing School Social Services and ending university tuition. A policy that knows that given the serious environmental problems we face, the answer isn’t new businesses in the name of the environment, but a policy that breaks with the capitalist logic of maximum exploitation of the workforce and the planet’s resources. A policy committed to fighting corruption, addressing its deeper causes and endowing the competent authorities with the adequate means to fulfil their mission and ensuring a new path to Justice that is equal, accessible and closer to citizens.

A policy to ensure a free and democratic Portugal, based on respect for the Constitution.

Portugal is not condemned to be left behind, nor going backwards. Another policy and advancement is possible and necessary.

Advancing is necessary and therefore it is necessary to give CDU greater strength.

The struggle of workers and populations, and the intervention and action of CDU led to advancements. It will be with a stronger CDU that we will advance in the solution to the problems of workers, people and Country.

A vote in CDU will count and decide another policy, to guarantee a sovereign Portugal, a Country in command of its destiny, a people that builds its future.

We have great battles ahead that we will face with great confidence.

This «Avante!» Festival is an example of that confidence. Its success is an expression of that confidence, that determination that allows us to pursue the tasks ahead with greater strength and energy.

But confidence also because of our history of intervention, action and initiative in defence of the rights, interests and aspirations of our people and homeland.

This history of struggle and intervention that allows us to state proudly, eye to eye, what we stand for. We are a Party with solutions for our time. We are the Party that will take the Country forward!

We are the Portuguese Communist Party!

This Party with almost one hundred years of history that gains honour every day, assuming the unshakable commitment, derived from their class nature, as the Party of the working class and all workers.

This Party, PCP, with its communist identity, renewed and reinforced after the Campaign of 5000 contacts with workers, with whom we raised the issue of giving our Party greater strength with their membership and militancy.

New communist militants, whom we want to welcome, not only to have, but to intervene, in the companies and work places, to widen our base organizations, to reinforce our ties with the masses, the working class and workers, the primary reason for our existence.

This is the Party, Communist, Portuguese, that lives and intervenes animated by the goal of building the Patriotic and Left-wing policy the Country needs, towards an Advanced Democracy with the Values of April in the future of Portugal, who won’t give up, nor undermine its supreme objectives, but rather reaffirm them daily in the struggle, the emancipating project of building a new society, without exploiters and exploited, the construction of socialism and communism.

Yes, there are reasons to be confident. Confidence that animated the struggle during the black night of fascism, confidence that overflowed during the glorious days of the revolution, confidence that never abandoned us during the fight against right-wing policies and monopolist restoration. A confidence of who knows that the future we dream of annd fight for be closer with a stronger Party.

The Portuguese people know from experience that this Party, associated with each advance over the almost one hundred years of its history, always drew strength from the struggle for their rights, that this Party never failed to defend their interests, that this Party, more necessary today than yesterday, never betrayed their aspirations. As it was yesterday, so it is today, and will continue to be tomorrow!

We are prepared for the fights ahead. Ready and animated by our convictions and ideals. Ready with the necessary political courage. Ready with all the courage that may be needed. With tremendous confidence!

 

Link:
http://www.pcp.pt/en/vote-cdu-counts-towards-ps-not-having-free-reign-practice-old-policies


 

 

Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Comício da Festa do Avante! 2019

8 Setembro 2019, Atalaia, Amora, Seixal

«É o voto na CDU que conta para não deixar o PS de mãos livres para praticar a velha política»

 

É com imensa alegria que saudamos todos os construtores da Festa do «Avante!», participantes e convidados, os nossos amigos do Partido Ecologista «Os Verdes» e da Intervenção Democrática, e os independentes que connosco integram a CDU.

Saudação especial à juventude e à JCP que tanto na construção como na participação são prova provada de uma Festa carregada de futuro. Uma Festa que transporta um sonho que vamos perseguir: que o projecto do Portugal pelo qual nos batemos tenha um dia muita da beleza da nossa Festa do «Avante!».

Temos afirmado, e quem participa na nossa Festa comprova, que este é o maior acontecimento político e cultural que se realiza no País.

Uma Festa criada com trabalho e arte, os dois elementos construtores da humanidade e que estão indissoluvelmente ligados à identidade da nossa Festa do «Avante!».

Uma Festa erguida com o esforço militante de um grande colectivo que, ao mesmo tempo que põe de pé esta inigualável iniciativa política e cultural, este espaço de afirmação dos valores da fraternidade, da paz, da amizade, da solidariedade internacionalista, da democracia e do socialismo, está na luta e dá resposta às mais exigentes tarefas, nas mais diversas frentes, cumprindo o seu papel na defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo e do País. Como está pronto para travar com confiança a batalha das eleições legislativas que são já daqui a menos de um mês!

Permitam-me que, particularmente, saúde as dezenas de delegações estrangeiras que, através da sua importante participação, connosco deram vivo conteúdo à dimensão internacionalista da Festa do «Avante!», à solidariedade mútua, à solidariedade com as lutas que, por todo o mundo, os povos travam pelos seus legítimos direitos e anseios.

Solidariedade que é cada vez mais necessária, numa situação internacional marcada pela perigosa e multifacetada investida agressiva do imperialismo, dirigida contra todos os países e povos que não se submetem aos seus ditames e interesses e que, de forma soberana, assumem nas suas mãos a decisão quanto ao seu destino.

Guerra, coacção e cerco militar, sanções e bloqueios económicos e diplomáticos, corrida armamentista e ameaça nuclear, desrespeito de tratados e acordos, afronta ao direito internacional para impor o seu domínio hegemónico mundial, os Estados Unidos da América, com a cumplicidade dos seus aliados, designadamente da NATO, não olham a meios na sua estratégia de chantagem, desestabilização e agressão.

Confrontado com o aprofundamento da sua crise estrutural e a agudização das suas contradições, responsável pela brutal intensificação da exploração do trabalho, pela deriva cada vez mais reaccionária, autoritária e fascizante e pela insaciável apropriação dos recursos da natureza e a degradação do ambiente – é o capitalismo, com a sua natureza exploradora, opressora, agressiva e predadora, que está na raiz dos problemas, das crises, dos conflitos, das guerras, dos imensos flagelos que atingem os povos do mundo.

Oitenta anos depois do início da Segunda Guerra Mundial – que causou mais de 50 milhões de mortos e um imenso legado de sofrimento e destruição –, a convergência e a unidade na acção das forças da paz e do progresso social é mais premente que nunca para impedir o desastre para onde o imperialismo arrasta a Humanidade.

Convergência e unidade na acção entre os comunistas e entre estes e outras forças progressistas que têm uma das suas mais importantes e consequentes expressões na firme e activa solidariedade com os povos e forças que estão na primeira linha da agressão do imperialismo.

Solidariedade para com os povos do Médio Oriente, que enfrentam a ocupação, a guerra e a ingerência – como no Iraque, na Síria, no Iémen, ou na martirizada Palestina.

Solidariedade para com os povos da América Latina e das Caraíbas que enfrentam a tentativa de isolamento e bloqueio, a acção desestabilizadora e golpista, a chantagem e a ameaça de intervenção militar – como em Cuba ou na Venezuela.

Solidariedade para com os povos de África que enfrentam o intervencionismo, a rapina de recursos, o neo-colonialismo.

Solidariedade entre as forças que enfrentam uma União Europeia cada vez mais neoliberal, militarista e federalista, e que lutam por uma Europa de efectiva cooperação, progresso social e paz, por uma Europa dos trabalhadores e dos povos.

Solidariedade que passa e exige também o desenvolvimento da luta em cada país em defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores e dos povos, contra a exploração e a opressão, pela soberania e o desenvolvimento, pela paz, pela democracia e o socialismo.

Em Portugal estamos nas vésperas de uma importantíssima batalha eleitoral. Uma batalha decisiva que vai determinar a evolução imediata e futura do País e da vida dos portugueses.

Há quatro anos, em 2015, travámos e vencemos, com a luta dos trabalhadores e do povo e o decisivo contributo do PCP, uma dura e prolongada batalha pela interrupção de uma violenta e retrógrada ofensiva, com consequências brutais nas condições de vida dos portugueses.

Derrotou-se o governo que, com implacável severidade, a executava, cumprindo e aprofundando um brutal programa de agressão, exploração e empobrecimento nacional que PS, PSD e CDS tinham aceite e concertado com o FMI, União Europeia e BCE.

Numa Assembleia da República alterada na sua composição e num quadro em que nenhum dos partidos responsáveis por mais de quatro décadas de política de direita em Portugal, tinha condições de impor a sua política de sempre e na sua plenitude, foi possível dar início, com o decisivo contributo do PCP e do PEV a um processo de reposição de direitos e rendimentos e avançar com novas conquistas que se traduziram em melhorias das condições de vida dos portugueses.

Foram quatro anos vencendo resistências internas e ameaças e pressões externas, vindas do grande capital e das forças políticas que o servem, onde cada avanço solicitou a luta dos trabalhadores e do povo, e sempre a firme acção, iniciativa e proposta do PCP e das forças da CDU.

Hoje, precisamos de travar e vencer uma nova batalha – a da criação de condições para continuar a avançar e impedir que se ande para trás.

Avançar de forma decidida na solução dos principais problemas do País que permanecem adiados. Avançar no aprofundamento dos direitos e das condições de vida dos trabalhadores e do Povo e afastar os perigos de qualquer pretensão de regresso às políticas de empobrecimento e agravada exploração.

Eis o que está em causa nessa importante e decisiva batalha eleitoral do próximo dia 6 de Outubro para a Assembleia da República: avançar no que é preciso fazer pelo desenvolvimento do País e pelos direitos dos trabalhadores e do povo, dando mais força à CDU, ou andar para trás.

Ninguém se iluda, o que se avançou não está garantido e estes últimos tempos mostram que a balança se começou a inclinar mais, para lá de todas as promessas, para o lado contrário da defesa dos interesses populares, particularmente contra os trabalhadores.

O PCP vai travar esta importante e decisiva batalha no quadro da CDU em todos os círculos eleitorais.

Partimos para este novo combate determinados a confirmar e alargar a nossa influência nos círculos onde elegemos e temos deputados, e não deixaremos de travar com determinação a batalha pela eleição de deputados da CDU naqueles onde não os temos!

Vamos para este combate para crescer em votos e deputados, confiantes no trabalho realizado, no inquestionável papel desempenhado pelo PCP e pela CDU para levar para a frente o País e defender os interesses dos trabalhadores e do povo, e com o projecto de futuro alternativo de que somos portadores.

Partimos convictos que é ao povo que cabe decidir, certos de que não há vencedores antecipados nem deputados previamente eleitos, e que todos os caminhos do reforço da CDU estão em aberto e vamos percorre-los indo ao encontro dos eleitores, afirmando-lhes que não encontrarão, com toda a certeza, outra força política que dê maior garantia do que a CDU para defender o que se conquistou e avançar!

A força que apresenta sempre soluções para servir os trabalhadores e o povo. A única força que em Outubro próximo, tal como há 4 anos, dá garantias que os interesses dos trabalhadores e do povo não serão hipotecados às crises que o capital monta, nem sujeitos ao dogma do défice. Quanto maior for a força da CDU, mais certo e seguro estará o caminho para avançar!

Sim, o voto na CDU é o único voto que o garante!

O voto certo e seguro para assegurar uma mais justa distribuição da riqueza e que não se resigna perante as injustiças e as desigualdades.

O voto certo para garantir um Portugal desenvolvido, solidário, de justiça e de progresso!

O voto seguro para concretizar uma política de esquerda e assegurar salários e reformas dignas, direitos sociais efectivos, melhores condições de trabalho e de vida para todos.

O voto que pesa verdadeiramente para dar força a uma política patriótica e garantir que o País avança no combate às suas fragilidades e dependências!

O voto para combater as causas do nosso atraso e afirmar um desenvolvimento soberano.

O voto que aposta nas potencialidades e riquezas nacionais e que as defende para garantir o desenvolvimento, o progresso e a melhoria das condições de vida do povo.

O tempo até às eleições é curto e o trabalho muito. Precisamos da disponibilidade de todos e de cada um para levar este importante combate de vencido. Esta é hora de avançar com a nossa activa presença, com a nossa palavra lá em cada empresa, em cada local de trabalho, em cada lugar, em cada concelho ou círculo eleitoral, dando corpo a uma campanha capaz de assegurar o êxito da CDU neste novo combate!

Vamos dirigir-nos a todos os que já alguma vez votaram na CDU lembrando que o seu voto na CDU nunca foi traído, foi sempre honrado. Vamos ao encontro de quem nunca votou na CDU para destacar que é, nesta Coligação Democrática Unitária, PCP-PEV, que encontram o grande espaço de convergência de democratas e patriotas, de todos aqueles que querem que o País avance nos salários e pensões, nos serviços públicos e nas funções sociais do Estado, no investimento público e na dinamização económica, na produção nacional e no trabalho com direitos.

Está nas nossas mãos, na nossa acção colectiva e individual construir uma intensa corrente de mobilização para o voto na CDU e mostrar que está nas mãos dos trabalhadores e do povo português abrir a possibilidade de concretizar o Portugal a que temos direito, dando mais força à CDU, com mais votos e mais deputados, para o País avançar a sério!

Estes quatro anos da nova fase da vida nacional mostraram que valeu e vale a pena a luta para abrir o caminho da solução dos problemas do povo e do País.

Mostraram, logo no primeiro momento, quão falsas eram as recorrentes campanhas que fazem crer que as eleições legislativas são para eleger primeiros-ministros ou que o que é decisivo é saber qual é o partido mais votado para governar, pensadas para perpetuar o círculo vicioso da alternância sem alternativa que alimentou anos e anos de política de direita.

Não! Não são para eleger primeiros-ministros! São para eleger deputados. A vida política nacional recente desfez esse engano, com o decisivo contributo do PCP!

Do contributo deste Partido que não ficou de braços cruzados, expectante ou conformado, como outros, perante os resultados eleitorais, mas a procurar soluções e apontar caminhos que serviam no imediato a luta do nosso povo por melhores condições de vida, mas também o próprio País, confrontado com o seu contínuo declínio.

Não ficámos, como nunca ficamos, tolhidos pelas circunstâncias e fomos à luta!

Fomos porque não abandonamos os combates antes de os travar!

Porque somos um Partido que não deixa o povo e o País num beco sem saída, que sabe o terreno que pisa e que apresenta sempre soluções para os problemas!

Um Partido de confiança e em que se pode confiar! Que faz o que diz e cumpre os compromissos que assume!

Hoje, pela experiência vivida, muitos mais portugueses reconhecem e sabem quão importante é ter deputados vinculados com os interesses dos trabalhadores e do povo, deputados eleitos pela CDU!

Estes últimos quatro anos provaram-no. Foi a partir da alteração da composição da Assembleia e da perseverante iniciativa do PCP e do PEV, num quadro em que o PS e o seu governo, mas também PSD e CDS, não tinham condições de impor sozinhos a plenitude da sua política de sempre que permitiu importantes avanços na vida dos portugueses.

Muitas das medidas que os trabalhadores e a maioria dos portugueses reconhecem como positivas estão cunhadas na sua origem com a marca da proposta do PCP e do PEV.

Olhe-se para os mais diversos sectores da nossa vida colectiva e lá se encontrará, com toda a certeza, uma medida para resolver um problema premente, expressar um sinal, uma vontade de iniciar respostas a velhos problemas, mas também abrir caminho a soluções inovadoras.

Sim, demos prioridade nas nossas propostas e acção à recuperação de direitos e rendimentos, à reposição e valorização de salários, feriados e subsídio de Natal, ao desagravamento do IRS para os salários mais baixos e intermédios, às prestações sociais no desemprego, na doença, ao abono de família, à valorização das longas carreiras contributivas, ao combate à precariedade, às pessoas com deficiência, mas olhámos para o País como um todo, para resolver problemas e sinalizar a solução de outros para mostrar que há outro caminho que não o do empobrecimento dos trabalhadores e do povo.

Olhar o País como um todo e não sujeitando tudo e todos à míope política do défice pela via da contenção e adiamento dos problemas do País, em vez de uma produtiva e mais fecunda solução que aposta no reforço do investimento, num crescimento económico e do emprego mais robusto e na valorização das condições de vida como um importante motor da economia.

Foi com os olhos postos nos mais diversos sectores que avançámos. Avançámos com uma proposta de aumento extraordinário das reformas e pensões em três anos consecutivos. Avançámos para a redução das taxas moderadoras e dos custos dos medicamentos. Avançámos com essa importante medida dos manuais escolares gratuitos. Avançámos para o alargamento do Passe Social Intermodal e para a redução do preço dos transportes.

Foi com os olhos no País e para apoiar os pequenos e médios empresários que se concretizou a eliminação do Pagamento Especial por Conta e a redução dos custos dos combustíveis para os agricultores e pescadores.

Avanços conquistados a pulso. Muito do que se conseguiu não estava no programa do PS, nem no Programa do Governo e para avançar foi preciso ultrapassar muitas e fortes resistências!

Que não se duvide! Quando o PCP e a CDU ganham força, ganha força e avança a solução dos problemas do povo e do País!

Hoje levanta-se o espantalho de falsos excessos e de anúncio de novas crises para adiar a resposta aos problemas e negar a justiça ao povo e ao País!

Sabemos o que isto significa e o que querem. Manter os compromissos assumidos com Bruxelas de dar prioridade ao défice e aos acelerados ritmos de pagamento da dívida, mesmo que isso signifique andar para trás no investimento, nos direitos dos trabalhadores, na defesa dos serviços públicos e das funções sociais do Estado, sacrificar o Serviço Nacional de Saúde, não fazendo os investimentos necessários em material circulante para assegurar a mobilidade das populações ou andar para trás nos livros escolares a pretexto da reutilização, entregando livros escritos e rasurados.

Sim, sabemos o que significa e o que querem com o discurso da crise e da tese dos excessos. Significaria, se pudessem, marcar passo nas pensões e reformas sem assegurar os aumentos extraordinários que propomos para garantir a sua valorização real. Significaria marcar passo ao nível do aumento dos salários, como é necessário e possível.

Que ninguém se iluda! Nem o PS mudou de natureza, nem abandonou as suas opções de fundo, inscritas nos PEC de má memória, nem o PSD e o CDS desistiram da política de desastre, extorsão e retrocesso que caracterizou a sua governação.

É ver os programas de uns e de outros e a profissão de fé e devoção que fazem às regras e imposições da União Europeia e do Euro.

É ver as suas propostas de revisão da Constituição, mas também das leis eleitorais, cujo o objectivo é fazer maiorias governativas com minorias de votos – a grande subversão eleitoral para eternizar a política de direita e o seu mando.

Nesta batalha eleitoral em que se está a decidir entre avançar ou andar para trás, já se percebeu qual é a aposta do grande capital: favorecer o PS e a criação de condições para que possa livremente retomar por inteiro a política que garante os seus interesses e, ao mesmo tempo, limitar o crescimento da força que mais temem – a CDU!

Por outras palavras, os grande interesses económicos querem duas coisas: a maioria absoluta do PS e tirar força à CDU – o verdadeiro obstáculo ao seu projecto de exploração e retrocesso.

Aonde não chegam para atingir estes objectivos, mandam recado. Inventam cenários artificiais, falsas disputas decisivas que de decisivo nada têm e, particularmente, como a antiga bipolarização entre PS e PSD não pega nas actuais circunstâncias, ensaiam novas artificiosas bipolarizações, utilizando a mais ridícula e falsa argumentação para ocultar aquilo que é uma evidência: o voto na CDU conta, e conta bem, para impedir a maioria absoluta do PS.

Sim, é o voto na CDU que conta para não deixar o PS de mãos livres para praticar a velha política, com ou sem PSD e CDS, o voto seguro e coerente que decide de uma outra política.

Sim, o voto na CDU é a escolha necessária dos trabalhadores e do povo nas eleições de 6 de Outubro!

Neste combate que travamos para avançar, a luta dos trabalhadores e das massas populares é fundamental. Luta que se desenvolveu intensamente, nos mais diversos sectores e empresas e nas acções convergentes promovidas pela CGTP-IN. Luta que foi a base da defesa, reposição e conquista de direitos, que enfrentou a acção patronal e permitiu avanços nas condições de vida dos trabalhadores e das suas famílias. Luta das populações que possibilitou a defesa de direitos, serviços públicos e qualidade de vida.

Luta organizada que se impôs marcando a realidade social e política, apesar da ocultação, do silenciamento, da manipulação e da provocação.

Luta pelo aumento geral dos salários, contra a precariedade, contra a desregulação dos horários e pela sua redução, por melhores condições de trabalho, pela revogação das normas gravosas da legislação laboral.

Quanto à legislação laboral impunha-se e impõe-se a revogação das normas que atacam os direitos dos trabalhadores, mas em vez disso o Governo do PS, com a sua opção de classe ao serviço do capital, estabeleceu um acordo com as confederações patronais e a UGT, aprovou uma lei em convergência com o PSD e o CDS, que o Presidente da República promulgou, e que não só manteve as normas gravosas existentes como acrescentou outras, designadamente o alargamento do período experimental para 180 dias, abrindo uma nova porta para a generalização da precariedade. Face a uma lei com elementos que ferem a Constituição da República, o PCP tomou a iniciativa para tornar possível a sua apreciação pelo Tribunal Constitucional.

E a luta continua e vai continuar nos locais de trabalho, nas empresas e nas ruas. Daqui saudamos os trabalhadores, a sua unidade, organização e luta, daqui saudamos a CGTP-IN, a grande central sindical dos trabalhadores portugueses, daqui reafirmamos a solidariedade e apoio do PCP.

Estamos longe de ver resolvidos os problemas que anos e anos de política de direita criaram e a que a actual política governativa é incapaz de dar resposta.

Portugal precisa de soluções para dar resposta aos atrasos acumulados. Aos seus défices estruturais de produção, demográfico, científico e tecnológico, que são bloqueios ao seu desenvolvimento, ao insuficiente crescimento económico. Aos crónicos problemas sociais, às agravadas condições de trabalho, às profundas desigualdades sociais e regionais, à degradação dos serviços públicos.

O País precisa de uma verdadeira mudança. Portugal precisa de encetar um novo rumo com outra política, em ruptura com a política de direita, porque não há saída com tal política, seja pela mão de PSD e CDS seja pela mão do PS.

O País não está condenado a ser uma coutada dos grupos económicos, das grandes multinacionais, nem pode estar preso e amarrado a constrangimentos com os quais, mais cedo do que tarde, terá necessariamente de romper.

Assumimos como questão decisiva para o País a necessidade de valorizar o trabalho e os trabalhadores. O aumento geral dos salários, incluindo o Salário Mínimo Nacional para 850 euros. Uma emergência nacional para uma mais justa distribuição da riqueza, para a dinamização da economia nacional, para reter e potenciar milhares de trabalhadores formados no nosso País e que continuam a sair à razão de 80 mil por ano, para responder ao défice demográfico, para fortalecer a Segurança Social e assegurar melhores pensões no futuro.

É preciso valorizar quem trabalha e quem trabalhou. É preciso combater a precariedade, a desregulação dos horários e assegurar a redução do horário de trabalho para as 35 horas semanais, a protecção do trabalho por turnos, garantir a defesa dos direitos sindicais, incluindo o direito à greve e a revogação das normas gravosas da legislação laboral.

É necessário garantir o aumento do valor real das pensões, assim como o direito à reforma por inteiro e sem penalizações dos trabalhadores com 40 anos de desconto e a reposição da idade de reforma aos 65 anos.

Queremos avançar. Queremos um País que respeite os direitos dos pais, dos avós, mas também das crianças. Consolidando avanços como o dos manuais escolares, mas dando também um novo e decisivo passo garantindo creche gratuita a todas as crianças até aos 3 anos.

Avançar na ampliação da protecção social com o reforço do Sistema de Segurança Social Público, capaz de assegurar a universalização e majoração do abono de família e do reforço das prestações sociais, dando a resposta necessária às situações de desemprego e doença. Queremos a diversificação das suas fontes de financiamento, combatendo as várias tentativas para a sua privatização.

Queremos avançar na valorização e capacitação dos serviços públicos, que precisam de mais meios e da contratação de milhares de profissionais. O Serviço Nacional de Saúde precisa de ser defendido e valorizado, e o povo português tem de ter direito a médico e enfermeiro de família, a medicamentos mais baratos, a serviços de proximidade e a ser tratado com dignidade e de forma gratuita em todas as fases da vida. As escolas, os hospitais, os centros e extensões de saúde, os tribunais, as bibliotecas, os teatros, os centros de investigação, as empresas públicas de transportes, as estradas e linhas férreas, os portos e aeroportos precisam de meios e de uma política que dê prioridade ao investimento. De uma política que promova a reabertura, a manutenção, a requalificação e construção de infraestruturas, tal como de melhores condições de trabalho. Isso exige um investimento público nunca inferior a 5% do PIB.

Os avanços dados na redução do preço dos transportes tiveram um enorme alcance social e ambiental. Mas para que não se volte atrás, para que se avance na melhoria da capacidade e qualidade, e da substituição do transporte individual pelo colectivo, é necessário um Plano Nacional de Investimento no transporte público.

Parte dos recursos que o País precisa para responder às aspirações dos trabalhadores e do povo, reclama também uma justa política fiscal, baseada na efectiva taxação do grande capital e na redução dos impostos sobre os trabalhadores e no desagravamento dos rendimentos mais baixos; na redução dos impostos indirectos face aos impostos directos. Queremos avançar com a redução da taxa do IVA na energia para 6%.

Queremos um País a produzir. A produzir e a produzir mais, sobretudo aquilo que hoje temos que importar. A indústria, a agricultura e as pescas não são, nem para o PCP nem para a CDU, um assunto dos mercados ou aquilo que é possível nas regras da União Europeia. Se precisamos de alimentos, se precisamos de medicamentos, se precisamos de barcos e comboios para melhorar a vida das populações, o nosso caminho é o de produzir cá aquilo que querem que compremos lá fora. Um País capaz de tirar também partido das novas tecnologias e da revolução digital, colocando-as ao serviço de quem produz e do interesse nacional.

Queremos um País a avançar, onde o direito à habitação e à mobilidade não sejam esmagados pela lógica da especulação. Há uma resposta pública que tem que ser dada, dinamizando a construção de habitação pelo Estado e a reabilitação urbana. É preciso desde já promover a revogação do “balcão dos despejos” e assegurar o direito ao arrendamento por um período mínimo de 10 anos.

Queremos um País a avançar. Queremos continuar a recuperar rendimentos, mas também, instrumentos que estão hoje em mãos estrangeiras. Queremos recuperar para o País, o que é do País. Na banca e nos seguros, na energia e nas telecomunicações, nos aeroportos e autoestradas. Portugal tem que garantir a sua própria estratégia de desenvolvimento. O País não pode limpar os prejuízos dos bancos falidos para depois os voltar a privatizar, como foi o caso do BES, ou pactuar com a destruição dos CTT e do serviço postal.

Queremos avançar na construção de um País coeso e equilibrado, que assegure a defesa do interior e do mundo rural, com a regionalização, o ordenamento do território e o combate à desertificação e ao despovoamento.

Queremos um Portugal com futuro e precisamos de uma política patriótica e de esquerda e um governo que a concretize. Uma política alternativa que não se submete, nem à União Europeia, nem ao Euro. Que assume o direito soberano do País a definir a sua política económica, orçamental e monetária.

Uma política que quer renegociar a dívida e libertar recursos para o desenvolvimento do País.

Uma política que não deixa nenhum dos muitos problemas para trás.

Uma politica que quer valorizar a produção e fruição culturais assumindo esse objectivo importante de alcançar 1% do Orçamento do Estado para a cultura. Que quer que todos os jovens possam aceder aos mais altos graus de ensino, apostando na escola pública, reforçando a Acção Social Escolar e pondo fim às propinas no ensino superior. Que sabe que perante os graves problemas ambientais, a resposta não passa por novos negócios em nome do ambiente, mas por uma política de Estado que rompa com a lógica capitalista de exploração máxima da força de trabalho e dos recursos do planeta. Que está comprometida com o combate à corrupção, indo às suas causas profundas e dotando as entidades competentes com os meios adequados para cumprirem a sua missão e assegurando um novo rumo para a Justiça que se quer mais igualitária, acessível e próxima dos cidadãos.

Uma política para assegurar um Portugal livre e democrático, baseado no respeito pela Constituição.

Portugal não está condenado a ficar para trás, nem a andar para trás. É possível e necessário realizar outra política e avançar.

Avançar é preciso e por isso é necessário dar mais força à CDU!

Foi com a luta dos trabalhadores e das populações e a intervenção e acção das forças da CDU que se avançou. Será com a CDU reforçada que se avançará na solução dos problemas dos trabalhadores, do povo e do País.

É o voto na CDU que conta e decide a sério de uma outra política, para garantir um Portugal soberano, um País que comanda o seu destino, um povo que constrói o seu futuro.

Temos grandes batalhas pela frente que enfrentamos com grande confiança.

Desde logo pelo que se vê daqui. Esta Festa do «Avante!» é exemplo de confiança. O seu êxito é a expressão dessa confiança, dessa determinação que nos permite prosseguir com mais força, com mais energia para as tarefas que se seguem.

Mas confiança também pelo património de intervenção, de acção e de iniciativa em defesa dos direitos, dos interesses e das aspirações do nosso povo e da nossa pátria.

É esse património de luta e intervenção que nos permite, olhos nos olhos, dizer com orgulho ao que vimos. Somos um Partido com soluções para o nosso tempo. Somos o Partido que fará o País avançar!

Somos o Partido Comunista Português!

Este Partido, cuja história de quase cem anos se honra na acção de todos os dias, assumindo o compromisso inabalável, que decorre da sua natureza de classe, como Partido da classe operária e de todos os trabalhadores.

É este Partido, o PCP, com a sua identidade comunista, que se renova e se reforça no âmbito da Campanha de 5000 contactos com trabalhadores, a quem colocámos a questão de nos darem mais força com a sua adesão e militância.

Novos militantes comunistas, a quem queremos afirmar que são muito bem-vindos, não para simplesmente ter, mas para intervir, nas empresas e locais de trabalho, para alargar as nossas organizações de base, para reforçar a nossa ligação às massas, e desde logo à classe operária e aos trabalhadores, razão primeira da nossa existência.

É este Partido, Comunista, Português, que vive e intervém animado pelo objectivo de construir a política Patriótica e de Esquerda que o País precisa, no caminho da Democracia Avançada com os Valores de Abril no futuro de Portugal, que não desiste, nem menoriza, os seus objectivos supremos, antes reafirma, diariamente na sua luta, o projecto emancipador da construção da sociedade nova, sem exploradores nem explorados, a construção do socialismo e do comunismo.

Sim, há razões para ter confiança. A confiança que animou a luta na noite negra do fascismo, a confiança que transbordava nos gloriosos dias da revolução, a confiança que nunca nos abandonou no combate à política de direita e de restauração monopolista. Uma confiança de quem sabe que o futuro porque sonhamos e lutamos está tão mais próximo quanto mais forte e reforçado estiver o nosso Partido.

O povo português sabe de experiência feita que este Partido, que está associado a cada avanço ao longo dos quase cem anos da sua história, sempre e sempre foi buscar forças à luta pelos seus direitos, que este Partido nunca faltou à chamada da defesa dos seus interesses, que este Partido, mais necessário hoje que ontem, nunca traiu as suas aspirações.

Assim foi ontem, assim é hoje, assim vai continuar a ser amanhã!

Estamos prontos para os combates que aí vêm. Prontos e animados pelas nossas convicções e ideais. Prontos com a coragem política que é necessária. Prontos com toda a coragem que seja precisa! Com imensa confiança! 

Link:
http://www.pcp.pt/voto-na-cdu-que-conta-para-nao-deixar-ps-de-maos-livres-para-praticar-velha-politica